Chapada Diamantina: Kennedy Silva
2 min.

Sobre bicho grilo e grafismos rupestres

De um ponto de vista antropológico, é muito difícil interpretar um painel de grafismos sem outros registros materiais das sociedades de origem dos/as seus executores/as. Temos aqui problemas metodológicos de reconstituição do contexto, do significante e do significado. Então, o que fazer diante deles?
Alagoas, Brasil
marcospaixao@non-user.com.br

Bicho grilo, para quem não sabe, é aquele tipo de conduta que leva os humanos a entrarem em qualquer mato com mais de um metro de altura, sentindo, ali, as mais sublimes conexões entre o ser e elo fundamental. Mesmo que ao final do dia eu prefira dormir numa bela cama – agora tem até aquele lance dos fios, não é? –, também me considero um tipo de bicho grilo. Sendo preto, espero que os demais bichos não se ofendam.  Foi numa dessas idas ao mato que travei um papo chato, que escolhi para ser a primeira crônica aqui nesse espaço. Se eu não voltar, já sabem.  Axé!

O campo desse baba (pelada, em baianês) foi um sítio arqueológico lá em Morro do Chapéu, Bahia. Um compadre, mesmo sem thc, acreditem, queria me convencer que os registros rupestres que víamos remetiam a discos voadores, extraterrestres e cultos religiosos iniciáticos. E mais! Citava fulana e beltrano, gente de renome na área, que afirmava o dito. E tem mesmo, basta pesquisar.

Somos estudantes, professores e trabalhadores. Precisamos de você para continuar lutando. Apoie e colabore financeiramente. Precisamos de sua ajuda para sobreviver

Quero apoiar

Sim, acho fascinante pensar nos grafismos rupestres e todo dispêndio de energia necessária mobilizar para fazê-los. Tem técnica e tecnologia ali, e, possivelmente, parte daquele movimento comum de exteriorizar o espírito humano, como dizia o ainda mais chato e controverso Hegel. No limite, penso até que podemos apropriar esses grafismos como arte, entendida como uma estética que comunica, ritualiza e/ou desloca o olhar de quem faz e de quem vê. Daí a querer afirmar o que essas pinturas diziam na época na época, eu acho pura viajem.

LEIA TAMBÉM  Evangélicos no poder, e agora? Um olho no peixe, outro no gato

De um ponto de vista antropológico, é muito difícil interpretar um painel de grafismos sem outros registros materiais das sociedades de origem dos/as seus executores/as. Temos aqui problemas metodológicos de reconstituição do contexto, do significante e do significado. Então, o que fazer diante deles? Acho que estudá-los em relação a alguns aspectos formais, geológicos, botânicos, além de preservá-los, é claro.

No fim e ao cabo, penso que meu compadre navegava naquele registro narcísico que nos faz torcer e retorcer a expressividade humana até que ela caiba em um eixo de identificação e/ou estranhamento mútuo. Sim, pois quem estranha também fala sobre si.  Nesse registro, as coisas não podem ser em si mesmas.  “Como assim eles podem ter simplesmente pintado?”.

As vezes imagino o tipo de sujeito que saía para riscar paredes há 10.000 anos, enquanto a maior parte da comunidade provavelmente tentava comer e não ser comida.  Ao invés da ilação que faz dele um sacerdote conectado ao céu, meu narcisismo busca mais um bicho grilo e curioso papeando com um compadre no meio de meio metro de mato, de frente a uma rocha, queimando minério, misturando tinta e trocando ideias sobre quem veria as suas pinturas quando eles já não estivessem ali. A curtição de fazer nada enquanto se faz alguma coisa. Mais humanos, menos extraterrestres.

...já que você chegou até aqui, temos um pequeno favor a pedir. Desde que começamos a publicar, em 2020, o Brasil vem enfrentando ameaças autoritárias dia sim e dia também, fome, miséria e violência política - todas fomentadas por um presidente que faz pouco das mais de 600 mil vítimas da pandemia de covid-19. Queremos continuar produzindo um conteúdo combativo e de qualidade em tempos tão conturbados.

LEIA TAMBÉM  Você quer mesmo ser chamado de cidadão?

Mesmo em tempos de crise, toda a nossa equipe trabalha gratuitamente e não cobramos absolutamente nada de nossos leitores - fora o tempo. Fazemos isso porque acreditamos na luta contra a desinformação e o fascismo, e também acreditamos que quanto mais livre é o conhecimento, maior é o número de pessoas que podem acompanhar os acontecimentos que moldam o nosso mundo, compreender o seu impacto nas comunidades e inspirar-se para tomar medidas significativas. Milhões podem se beneficiar do acesso aberto a um conteúdo relevante, confiável e de qualidade, independentemente da sua capacidade de pagar por isso.

Cada contribuição, seja ela grande ou pequena, alimenta o nosso trabalho e sustenta o nosso futuro. Apoie o JUDAS, As botas de a partir de R$1 - demora apenas um minuto. Entendemos a situação do Brasil, mas, por favor, considere apoiar-nos com uma quantia regular todos os meses. Obrigado.

O nosso PIX é 74991895723, mas você também pode colaborar clicando no botão abaixo, é muito rápido

Apoie nosso trabalho

Referências

Não há referências para exibir

Cite-nos

Paixão, Marcos. Sobre bicho grilo e grafismos rupestres. Forca de Judas, Porto Alegre, v. 1, n. 1, 2020. Disponível em: <https://revista.judasasbotasde.com.br/112020/sobre-bicho-grilo-e-grafismos-rupestres/>. Acesso em 17-07-2024

2.322 respostas

  1. I have read your article carefully and I agree with you very much. This has provided a great help for my thesis writing, and I will seriously improve it. However, I don’t know much about a certain place. Can you help me?

  2. I am a website designer. Recently, I am designing a website template about gate.io. The boss’s requirements are very strange, which makes me very difficult. I have consulted many websites, and later I discovered your blog, which is the style I hope to need. thank you very much. Would you allow me to use your blog style as a reference? thank you!